23 de outubro de 2014

Vivendo os sonhos dos outros...

Todo mundo sabe, num relacionamento não devemos viver os sonhos dos outros, você deve ter seus próprios sonhos! 
Mas ás vezes isso é inevitável...é mais forte que a gente...
Na realidade os sonhos dos outros podem ser os nossos próprios sonhos... quando se é pai, viver o sonho do filho se torna... quase natural...
Estamos num momento destes aqui em casa! A filha fazendo cursinho e estudando ardorosamente (tá! nem tanto!) para entrar na USP, que é a única que ela realmente quer! Ela tem um plano B, que é a PUC, mas ela realmente quer entrar na USP. 
Eu sei o quanto ela quer isto, eu sei que ela vai se sentir vitoriosa, que vai sentir orgulho dela mesma.
Eu tenho presenciado umas crises do tipo "eu sou burra e não aprendo nada", "eu devia ter estudado mais desde o começo do ano", "acho que vou fazer mais um ano de cursinho".. não sei se elas tem coincidido com os dias da TPM, mas tem dias que eu quase apanho quando quero minimizar...
Ela tem feito a parte dela, nunca perdeu uma aula, nem o horário - levanta sozinha sem minha ajuda - e cortou as saídas.
Da minha parte eu tento ajudar no que posso, deixo ela bem á vontade, pressiono bem pouco e cobro menos ainda. Assistimos juntos alguns filmes que podem ajudar, separo para ela links de reportagens, especialmente de atualidades, posterguei a reforma que ia começar em casa para evitar que a rinite dela, que está sob controle, dê as caras...arranjei um professor de Yoga para ela relaxar e melhorar a concentração e até andei fazendo umas redações, junto com ela, para debatermos como abordar os assuntos e para ela treinar o tempo, exercícios sugeridos pelo cursinho, eu faço uma e ela outra, com tempo controlado ... ai lemos juntos e comparamos.
Sábado vamos ver um filme na Mostra, sobre árabes e palestinos, como parte dos estudos...
E eu estou gostando de participar deste momento com ela, em muitos aspectos é muito bom viver o sonho dos outros!

Eu sei que muitos que visitam o blog não tem filhos, e nem querem ter, mas todos já devem ter  suas experiências de ter vivido os sonhos de outros, todo mundo já passou por isto!
Eu sei que vários que leem o que escrevo são pais, e entendem muito bem este sentimento.
Outros tantos querem ser, e se eu puder dar um conselho eu diria, não desistam da ideia, não esperem "estar preparados" pois nunca estamos verdadeiramente preparados. Se você está esperando o companheiro perfeito para realizar este desejo, não espere muito, parta para a produção independente!

Viver o sonho dos outros, num relacionamento amoroso, pode não ser muito saudável, mas viver o sonho dos filhos....isso pode!

E você? Já se entregou e viveu o sonho de alguém?


19 de outubro de 2014

e namorar? quem quer?

Engraçado como existe uma espécie de conspiração "cósmica"... seria a tal da consciência coletiva?

Eu já tinha escrito o post anterior, que falava sobre os efeminados no mercado de trabalho, quando encontrei um conhecido meu:
Parabéns pelo seu namoro - disse ele!
Obrigado, e você, está namorando? perguntei
- Não, vc sabe, ninguém quer namorar as pintosas!

Incrível não? Este tipo de coincidência me fascina!

No começo da minha vida gay, antes de me assumir, me aceitar, eu tinha bastante estranhamento com os gays mais efeminados, evitava estas pessoas e nem passava pela minha cabeça sair ou me relacionar com um cara que desse muita bandeira...
Algo parecido com aquele clássico papo de "eu não frequento o meio gay, não gosto de guetos"...

Hoje percebo que isto tinha relação direta com minha homofobia internalizada, eu estar perto de pessoas que parecessem gays era um sinal direto de algo que eu queria esconder...
Com o tempo fui melhorando, mas foi o meu processo de aceitação que fez com isto mudasse... no final acabei me relacionando com alguns homens que eram bastante "pintosos" e sempre tive amigos que fazem o radar gay de qualquer um apitar bastante.... Eu poderia dizer que com o tempo eu fui me tornando "mais" gay, ou melhor dizendo, eu fui me preocupando cada vez menos com isto. Eu mesmo já tive amigos que me "puxaram de lado" para perguntar porque eu estava saindo com aquele cara tão efeminado, estilista de moda....
Mas eu também sei alguns que se interessaram por mim estavam ligados no fato de eu não parecer tão gay, de ser mais "masculino", como diriam. Eu até já escutei - Você não devia fazer isto porque você é "hominho", quando fui vestir uma roupa um pouco mais ... gay...

No post anterior o MARK comentou que esta questão pode  estar relacionada á permanente "desvalorização do feminino" que permeia toda nossa sociedade, e eu acho que ele tem razão, pois os efeminados são sempre associados á passividade sexual, no clássico jogo ativo/passivo e dominador/dominado. De certa forma o preconceito do feminino é mais atávico em nossa sociedade que o preconceito com relação ao gay, não é mesmo?
Eu respeito que a pessoa goste de alto, baixo, gordo, magro, branco, negro, efeminado ou masculino, especialmente quando as pessoas buscam um relacionamento elas tem em mente algum tipo de perfil que "encaixe" no sonho de consumo e na expectativa de felicidade de cada um. Mas quem já teve experiencia de relacionamento mais longo sabe que um relacionamento vai muito além disto.
Mas como, aparentemente, nem os efeminados gostam de se relacionar com os efeminados, ai fica mais dificil namorar mesmo, como disse meu amigo, e como várias vezes eu já ouvi o FOXX falar... Mas eu tb conheço vários que preferem os mocinhos mais "delicados" - para usar uma expressão vintage!

E vc o que acha? É mais difícil para um efeminado namorar?







16 de outubro de 2014

"ninguém quer contratar as femininas!"

Há alguns anos atrás eu precisei contratar um funcionário para cuidar do escritório. Era uma vaga para um auxiliar de serviços gerais que cuidasse do dia a dia da limpeza, da manutenção e do jardim. Então eu divulguei esta vaga entre os amigos dizendo que eu queria dar oportunidade de algum LGBT assumir esta vaga. Disse que não havia problema ser alguém sem experiência e nem alguém que fosse efeminado ou até mesmo trans.
Eramos uma empresa que estava iniciando, este seria o segundo funcionário da empresa - a primeira era a secretária contratada dois anos antes. E contratar uma pessoa abertamente gay fazia parte da minha "militância de formiguinha" (o blog tb é parte disto).
 
Mas havia mais razões, e uma delas é que  eu sei que os gays efeminados sofrem mais preconceito! 
 
Primeiro: para as pessoas que são mais "bandeirosas" o preconceito na escola muita vezes as afasta dos bancos escolares... se for uma garoto ou garota trans fica mais dificil ainda. Sem escola, sem estudo, sem educação formal... começa o ciclo de exclusão do mercado de trabalho.
Sem estudo sobram os cargos menos qualificados - onde o preconceito é maior ainda (todas as pesquisas dizem que pessoas com menos instrução tendem a ser mais preconceituosas não é?). Ou seja, nem para estes cargos menos qualificados são contratados, porque os contratantes não querem este tipo de problema na empresa, nas equipes.
Hoje em dia penso que as coisas estão um pouco melhores, existem áreas que dão muitas oportunidades para homossexuais, As empresas de telemarketing por exemplo, são o primeiros emprego de muitos jovens gays, mas ainda com salários baixos, com poucas chances de crescimento porque as pessoas continuam não muito dispostas a darem oportunidades para as "pintosas".
Me parece que para as mulheres que são mais "masculinas" este problema é um pouco menor, ao que parece as "bichinhas" incomodam mais, mas com certeza outras pessoas perdem oportunidades de emprego por conta do jeito que são. Aliás, eu até já vi mulheres lindas dizerem que sofrem preconceito justamente por serem bonitas - principalmente as pessoas achando que elas não podem ser inteligentes e que só tem bons cargos em função da beleza...
 
Divulguei a vaga e ai apareceu o R! Indicado por uma amiga lésbica. Ele tinha 36 anos e nunca tinha trabalhado com carteira assinada. Tinha feito até a metade do ensino médio porque os pais nunca estimularam ele a enfrentar o preconceito na escola e ele acabou desistindo. O pai dele abandonou a familia e a mãe ficou doente, ele passou anos cuidando da mãe até ela morrer. Quando a mãe morreu ele foi cuidar de uma tia velhinha durante quase 10 anos, e ela tinha morrido no começo do ano. Naquele momento ele morava "de favor"   na casa de um conhecido que o acolheu, dormia no terraço envidraçado, cujas janelas tinham sido fechadas com jornal para conter a claridade. Ele não era um rapaz bonito, usava cabelos longos.. e para ilustrar o quanto ele estava ligado em seu lado feminino, eu vou te contar que a primeira coisa que ele comprou com seu primeiro salário que recebeu conosco foi... um vestido verde de paetês que fez questão de mostrar para a gente as fotos...Além disto o R tinha uma grave perda auditiva, em função de uma doença de infância.
 
Me diz quem contrataria o R? Sem qualificação, sem referências e bichinha de voz de "taquara rachada"?
Não quero aplausos nem parabéns por isto, como disse nao era nenhum cargo maravilhoso, era um salario um pouco maior que um salário minimo. Tenho certeza que vários de vocês fazem coisas parecidas, só estou contando a estória para ilustrar a questão do preconceito, para conversar.
Ele era muito prestativo, preocupado em acertar, em aprender, muito carinhoso e amável com todos ele era membro da equipe...apesar de que do ponto de vista de manutenção ele era uma negação - a "bicha" tinha mêdo de furadeira! rsrsr. 
 
Ele ficou conosco quase dois anos, foi quando mudamos da casa que utilizávamos para um conjunto num predio comercial, e precisamos mandar ele embora pois, sem jardim e sem área externa não justificava mais sua função. Mas o  melhor foi o que aconteceu depois...
Como ele tinha este problema auditivo orientei ele a buscar um emprego dentro da política de cotas - afinal de contas ele já não tinha mais "carteira em branco" e tinha uma bela carta de referencias nossa. Ele conseguiu emprego para trabahar num grande escritório de advocacia - conseguido por uma cliente nossa,  pois contamos para todos que estavamos procurando trabalho para ele -  começou trabalhando no arquivo, depois foi promovido a "separador de processos", depois foi promovido a "acompanhador de advogados nas audiências".... e o que mais o divertia era ter que vestir "terno" para ir ao forum... ele dizia que se vestia de "hominho"!
Ou seja, é um cara competente e está galgando seu futuro.. hoje mora em seu apartamento e da ultima vez que falei com ele, soube que tinha "acolhido" em sua casa uma pessoa transgenero que estava com dificuldades...O nome deste jogo é oportunidade! Ou seria CORRENTE DO BEM?
 
Talvez vc tenha achado meu texto preconceituoso, por usar  termos como "efeminados", "pintosas", "masculinizadas", achando tudo isto uma bobagem relacionada ao gênero... Mas eu realmente não achei um outro jeito de abordar o assunto...
 
Só para pontuar e ilustrar...o nosso querido R, com dinheiro da rescisão na nossa empresa, comprou um lindo vestido... de noiva... o que não deixa de ser muito divertido nao é?
 
 
E você? Já sofreu preconceito por dar "pinta" no trabalho? Como resolver isto?




14 de outubro de 2014

como é que é?

"Papa Francisco estende a mão aos gays"
Ontem e hoje estão pipocando as notícias do tal Sínodo dos Bispos Católicos em que foi proposta o que parece ser uma pequena "revolução" com relação aos homossexuais...
Ao que parece a Igreja vai aceitar que existem "homossexuais com qualidades"...ou seja vai aceitar que todos aqueles padres, bispos e cardeais homossexuais existem e que tem qualidades para ajudar a igreja.. Imagina você ser gay e trabalhar numa empresa que nos seus estatutos é homofóbica? É isto que acontece nas igrejas até hoje...Lembrando que faz bem pouco tempo a Igreja recomendou que o critério nos seminários fosse mais apurado para evitar o ingresso de homossexuais.
 
Eu não sou daqueles otimistas convictos quando se trata de doutrina religiosas, sou um cristão convicto, fã de Jesus Cristo, mas que também sabe que a maioria das Igrejas não está interessada no que ele ensinou, mas em manter (ou conseguir) o PODER, normalmente controlando, oprimindo e explorando os fiéis.
Mas talvez não seja de todo ruim ficar atento a este movimento, é claro que o Francisco pode morrer amanha e o próximo reverter tudo o que ele esta fazendo, mas, sempre é um certo sopro de ar fresco..ou seria ar "viado"?
 
E você, acha que dá para ficar otimista com mudança na Igreja de Roma?

13 de outubro de 2014

ai vem um filho da puta... e pega o que é seu!

Mr. Jay acaba de se tornar parte das estatísticas! Ele estava numa reunião de trabalho, estacionou o carro perto do local, e quando voltou umas 3 horas depois, tinham levado o carro dele!
 
Sim, o carro tinha seguro, alarme e até mesmo o sistema ITURAN de localização (que diga-se de passagem nem chegou a localizar o carro). Não, nao teve violência, foi um furto, ele nao se machucou, mas isto não significa que quando roubam uma coisa sem você estar presente isso não é violência!
Ele está consternado, pois ele é super cuidadoso com o carro, faz as revisões certinhas desde que comprou, lava, mantem sempre arrumado... Mas nem precisava fazer isto para justificar a sensação de perda! O carro é dele e ele cuida como quer!
Eu já fui roubado e já fui furtado, e todas as vezes o sentimento de impotência e de perda são acachapantes. Pensar em todo o suor do seu rosto, todos os dias que levantou cedo, todos os sapos que engoliu no trabalho, que te fizeram ganhar o dinheiro para conseguir SEU patrimônio... e ai vem um FILHO DA PUTA e rouba...( me desculpem as putas)
 
Eu sei que roubo de veículos não é um privilégio do Brasil, no mundo inteiro se roubam carros, o nosso privilégio é termos um sistema completo montado para devorar e retroalimentar os roubos! A tal rede de desmanches clandestinos.
Mais fácil que roubar um carro é vender as peças para os desmanches... e quem alimenta os demanches? A corrupção com certeza! Que os camufla de honestos, que impede a polícia de prender seus responsáveis! O pior é saber que isto é uma das engrenagens mais lucrativas do crime organizado!
Comprar peças usadas  para consertar seu carro é uma maneira absolutamente digna de economizar, só está errado se você sabe que esta comprando num lugar que comercializa peças de origem ilícita... o que imagino deve ser dificil de saber se o local tem "aparência" de honesto.
De certa forma a crise moral e de autoridade atinge nosso dia a dia não é mesmo?
 
Para quem está do lado de quem tem algo roubado a sensação de impotência e frustração é grande também, mas não se compara, a gente pode tentar ajudar, ficar do lado, dar apoio, mas ele é que vai ter que trabalhar mais para reconquistar o patrimonio, e ter que ficar a pé, e etc...
Mr. Jay não é um cara materialista, ele ficará baqueado por um bom tempo, frustrado, mas vai trabalhar, reconquistar seu patrimônio - que o seguro cobre mas não totalmente - e vai continuar tocando a vida dele, mas sempre vai ficar aquela "marquinha" na pele...
 
E você? Ja passou pela mesma frustração? Tem muitas "marcas" da violência na sua pele?

8 de outubro de 2014

Nossos ídolos não são mais os mesmos! Ou são?

Semana passada eu fui assistir ao musical "CAZUZA" que está em cartaz em São Paulo no lamentável Procópio Ferreira (cadeiras velhas e sem numeração, fileiras apertadas, uó).
Eu gosto muito do Cazuza, tive oportunidade de assisti-lo ao vivo, e gosto da maioria das músicas dele. "EXAGERADO" é música incidental obrigatória em vários momentos de minha vida.... quem lê um pouco do que já escrevi entende perfeitamente isto!
O espetáculo começa com uma grande cena de orgia, incluindo vários casais homossexuais, e foi divertido perceber na plateia hétero um certo desconforto - os machões sem saber se aplaudiam ou ficavam quietos, esperando a aprovação de suas namoradas e esposas... o cara que estava do meu lado começou a teclar no celular...rsrsr. Teatro em São Paulo, no fim de semana, sempre tem muita gente do interior assistindo, talvez por isto o desconforto apareceu mais, e por ter muito poucos gays na plateia.
São três horas de espetáculo, o que é um pouco cansativo, achamos que ele poderia ter cortado pelo menos uns 30 minutos de blablabla. A parte que mais me impactou foi a questão do envolvimento intenso dele com as drogas, com os excessos, fiquei realmente triste por imaginar que ele ainda estivesse entre nós não fossem estes excessos.
Quando comentei isto no intervalo com Mr. Jay ele dise que a relação com as drogas não é bem assim, que muita gente usa e não perde o controle... Eu sou realmente careta em muitos aspectos.
Aliás, minha filha me mostrou um filme muito esclarecedor sobre esta questão, CORTINA DE FUMAÇA
Também fiquei feliz em ver muita gente jovem no teatro, garotada que, como minha filha, que tb foi conosco, não tinha nem nascido em 1990 quando ele morreu! Sinal que as coisas boas, especialmente músicas, eternizam seus compositores e cantores!
A questão da AIDS é mostrada de forma bem direta - sem entrar no moralismo que sempre cercou a relação da Lucia Araújo com o Cazuza -  mas mostra bem como foram aqueles tempos bicudos da AIDS, quando muitos de nossos amigos e ídolos morreram, independente do dinheiro que tinham para se tratar. 
Pensando agora, como pai e como gay, acho que a produção falha ao não fazer uma menção á prevenção - não no espetáculo que isto seria ridiculo, mas quem sabe distribindo folhetos no final do espetáculo, ou camisinhas... sei la´... fazendo algum coisa, assumindo alguma responsabilidade!
 
E para encerrar, nosso imporvável cantor de limgua presa, num cenário absolutamente... Exagerado! Praia do Pepino em 1986!






2 de outubro de 2014

Sobre o tal voto LGBT

Eu ja falei sobre isto e defendo que LGBT deve votar LGBT, eu já tenho meus candidatos escolhidos, mas este site http://www.votelgbt.org/ pode ser bem informativo, inclusive para quem não é de São Paulo. São iniciativas como esta, montar este site, da sociedade civil,que ajudam a termos um Brasil melhor...



Mas se você ainda não decidiu seu voto para Presidente, e quer uma opinião abalizada.. sugiro este comentariasta político:







30 de setembro de 2014

Eu, Você e ELE

Não! Este não é uma post sobre POLIAMOR, nem sobre relacionamentos abertos...Mas é um post sobre a construção de relacionamentos.
Vale para relacionamento amoroso, mas também para o relacionamento de amizade, de pais e filhos...ELE é sempre uma construção!
Quando eu digo ELE estou me referindo ao relacionamento em si, pois eu tenho aprendido que um relacionamento é sempre único, porque a combinação de duas pessoas é sempre única! Talvez eu vá dizer o tal do "obvio ululante", talvez seja um reflexão mais adequada para ser publicada na Capricho, mas teve muitos momentos de minha vida que eu "esqueci" disto que estou aprendendo agora:
CADA RELACIONAMENTO É UNICO!
É como a genética, cada vez que combinamos genes diferentes temos resultados diferentes! Aliás, mesmo quando combinamos os mesmo genes mais de uma vez, a cada vez os resultados são diferentes! Mesmo irmãos univitelíneos são pessoas diferentes!
Mães e pais! Por favor assumam que não amam seus filhos de maneira igual!
Se você reata uma amizade de muitos e muitos anos atrás, você e seu amigo já mudaram, a amizade nunca mais será a mesma. Se você reata com alguém com quem ja teve um "crush" em algum momento de sua vida, e fica querendo que tudo seja como foi da outra vez, você vai se frustrar!
TEM QUE CUIDAR PARA VIVER E CRESCER!
Um relacionamento é como uma plantinha, precisa de água, de luz, de nutrientes para crescer, e é um trabalho de equipe, cada um fazendo a sua melhor parte - um traz a água, outro rega no horário certo. Um protege a plantinha das tempestades, o outro pinta um belo quadro para retratá-lo!
Se só uma das pessoas cuida do relacionamento ele certamente não vai dar certo, sempre vão faltar alguns nutrientes para que seja uma planta grande e forte o suficiente!
A pessoa que cuida sozinha vai passar a se sentir DONA do relacionamento, vai se sentir a única responsável por ele, e, ou ela vai cobrar muito do outro dono do relacionamento, ou ela vai se frustrar e se anular achando que só pode ser feliz se cuidar daquele relacionamento, ela se fecha para outras possibilidades, ela se torna egoista, mesmo que ela acredite ser uma pessoa legal por estar cuidando do relacionamento sozinha. Nenhuma amizade, nenhum amor, sobrevive deste jeito.
NÃO É FÁCIL!
Se você não está disposto a trabalhar duro num relacionamento não devia nem começar! Eu vejo pessoas que adotam crianças e que devolvem estas crianças poucas semanas depois... (pode ficar chocado porque eu também fico).. as pessoas alegam que as crianças "são muito fechadas", "são muito agitadas", "não se adaptaram", e.... até que ..."não comem verdura".
A pessoa alega que o pretê "é carinhoso mas é muito devagar", "não gosta tanto de sexo quanto eu", "é imaturo", ou o clássico "não quer nada sério"... e tudo isto ás vezes depois do primeiro encontro!
Talvez você fique triste porque o seu amigo NUNCA chama você para sair, é sempree você que convida, que liga.. talvez para você isto seja uma desatenção, um desamor...
Um relacionamento vai ter crises, vai ter mentirinhas (ou traições), pedras pelo caminho, leves e pesadas, que vãoser tiradas do caminho, contornadas, ou você vai parar na pedra e esperar algo acontecer...Se fosse fácil não seriam tão bons e tão raros os bons relacionamentos de amor, de amizade...
NÃO ESQUEÇA DO CICLO DA VIDA!
Nascer, crescer e morrer, o ciclo da vida também vale para os relacionamentos! E não devemos nos frustrar por isto!
Manter um amor na UTI, cheio de tubos e com remédios fortes para garantir a sobrevida é um despropósito! Eu sou favorável a EUTANÁSIA! Não tem porque sofrer, se martirizar, gastar uma puta energia com paliativos! Um relacionamento precisa de "qualidade de vida", se isto não for possível o melhor é uma conversa sincera, um conversa que ainda pode ser amorosa porque vocês ainda tem consciência das coisas boas, ainda há algo a se preservar.
Se ele durar bastante é porque deu novos frutos, foi reinventado, mas com certeza isto só acontece se ele for cuidado pelos dois envolvidos!
enfim....

Eu já aprendi um pouco sobre cada uma destas "máximas", e ainda estou aprendendo, mas ter isto em mente me faz olhar os relacionamentos de outra forma, sem esperar que eles se cuidem sozinhos, sem ser preguiçoso, sem achar que nada vai mudar e que só é bom se for para sempre!
E para você? O que é preciso para um bom relacionamento de amor e amizade?

29 de setembro de 2014

Dá para não brigar?

Eu gostei muito quando no post anterior, que falava sobre as brigas nos relacionamentos - que iam acabando com o papel higiênico - quando varias pessoas comentaram, no blog e por email, que as brigas eram parte indissociável do relacionamento, do amadurecimento de uma relação, até me lembrei que tinha escrito algo sobre isto.
Mas tem gente que extrapola...tem casais que brigam demais, que envergonham os amigos por suas brigas, que constrangem as pessoas, qual é o limite de uma briga saudável? Brigar é sinal de amor? Para algumas pessoas parece que sim!